22/07/2014

New stuff: compras e recebidos de junho


Era pra esse post ter saído antes, desculpem, mas o youtube resolveu tirar uma com a minha cara. Passei 11 horas enviando o vídeo, o que é bem mais que o "normal", e depois quando finalmente foi não estava em HD! Gritei excluí minha conta e chutei o computador mentira, só respirei fundo algumas vezes e tentei enviar de novo. Mais 14 horas se passaram e aqui está, não com a melhor qualidade possível, mas da maneira que deu pra fazer.

Lembram dos antigos posts de comprinhas? Então, eles estão de volta! Só que agora em vídeo porque escrever posts quilométricos é foda. No mês de junho não surgiram muitas coisas novas pra mostrar, mas como eu sei que julho vai ser pior (valeu, correios!) até que tá bonzinho. Assistam:



Peças mostradas no vídeo:
Camiseta personalizada da Hicustom
Kimono floral da Oasap
Regata de âncora da Oasap
Sweater de andorinhas da Romwe
Regata branca (que eu acho que é) da Sammydress
Bralet Top da Front Row Shop
Meia arrastão da Front Row Shop
Creepers da Oasap
Mochila da Rosewolesale

Fotos:
Look com o kimono e os creepers
Look com o top
Look com a mochila

E aí, o que acharam?
Ah, vocês já devem ter percebido que eu não sou muito ligada na minha conta do youtube e tal, to querendo dar um pouquinho mais de atenção pra lá então pra quem ainda não é inscrito, inscreva-se! Os vídeos chegam antes pra quem segue o canal. <3



18/07/2014

Como seguir um blog que não tem o gadget de seguidores

computador caneca frio

Em tempos de Facebook é natural os blogs adotarem a fanpage como o meio de contabilizar seus fans/leitores/seguidores. Assim, cada vez mais vem diminuindo o número de pessoas que utilizam o google friend connect, aquele gadget de seguidores que costumava ficar na barra lateral dos blogs. Aliás, você já segue o Quase à Toa? Não? Então trate de seguir agora mesmo ou eu paro de postar coisas super legais pra vocês, rum. Ei, estou falando sério! Ok, tá, não estou falando sério hahahah.

Enfim, é super prático receber as atualizações dos seus blogs favoritos pela página inicial do blogger, principalmente se você tem um blog e tem que entrar nessa página mil vezes por dia. Mas tá Jul, já que não é todo blog que tem a caixinha de seguidores hoje em dia, como eu faço pra seguir aquele blog super maneiro supimpa e fenomenal?

Calma, é suuuuper fácil, existem dois caminhos diferentes mas como sou legal por demais vou mostrar o mais simples.



O primeiro passo é entrar na sua página inicial do blogger, e lá, junto com as atualizações de quem você segue e com sua lista de leitura, está um botão escrito adicionar, clique nele.



Vai abrir uma caixinha igual a essa, onde você pode adicionar os links dos blogs que quer seguir. Clicando em + adicionar dá pra inserir mais de um blog por vez.

Escolha se quer seguir publicamente ou anonimamente, aí é só clicar no botão seguir. Viu como é fácil? Antes eu ficava super frustrada por querer acompanhar um blog legal e ele não ter o gadget do google friend connect, agora sempre adiciono direto no blogger e fim dos meus problemas.

E aí, quem ainda não conhecia esse meio? Me senti na obrigação de compartilhar com todo mundo porque foi super útil pra mim, talvez possa ser pra mais alguém, hihi.

Tem alguma outra dica sobre seguir blogs que eu não dei aqui? Comentem! ♥



15/07/2014

Look: What's the story, morning glory?

Quem acompanha o blog há um tempinho já viu um look com essa saia longa por aqui, entretanto gostei mil vezes mais da combinação que fiz desta vez! Decidi usar a saia com o top maravilhoso que recebi da Front Row Shop, mais um saltão preto e cabelo preso. Resultado? Me senti um ~mulherão~ pela primeira vez na vida hahahaha.

E preciso dizer que agora estou apaixonada por esse top! Quando chegou tive que mandar pra costureira apertar (encomendei antes de emagrecer) e ficou perfeito! Seria difícil usar agora no inverno, então já estou guardando para os dias de calor. ♥










Top: Front Row Shop
Saia: acervo pessoal
Sandália: Bárbara Krás



07/07/2014

O bar



Era noite de sexta-feira, e como em tantos outros lugares do mundo ali acontecia uma festa. Aquela velha e habitual diversão de sempre: havia música tocando, pessoas espalhadas por todos os cantos, amigos conversando, casais apaixonados, comidas e bebidas. Nada que pudesse me surpreender ou fazer daquela noite uma data inesquecível, mas ainda assim valia a pena tentar aproveitar. Tudo corria bem a primeiro momento, até alguém sugerir pegar umas bebidas.

Nada contra as bebidas, também me rendo aos prazeres do álcool, só não estava afim de beber naquela noite e isso me possibilitou observar melhor a cena que acontecia na minha frente. O único bar da festa, um pouco pequeno e com meia dúzia de funcionários, sendo engolido pela multidão. Multidão capaz de esperar muito e pagar caro, apenas para suprir o vício de ter um copo na mão.

Não estou exagerando, acredite, eram dezenas de pessoas compactadas em uma fila que não existia, empurrando-se e exprimindo-se cada vez mais na competição do "quem pega bebida primeiro". Eram longos minutos para comprar uma ficha, e mais longos minutos para pegar o copo de fato. Não estaria mentindo se dissesse que alguém ficou uma hora esperando naquele balcão, provavelmente existe gente mais azarada do que nós.

Enquanto isso o show continuava, as pessoas dançavam, o público se divertia. Valia a pena perder uma parte da festa ali? Por que diabos era tão importante assim ter um copo de bebida? Talvez ninguém mais consiga encarar o mundo são, ou as pessoas simplesmente não tem mais coragem de serem elas mesmas. É pra perder a vergonha, não? As pessoas precisam do álcool pra fazerem aquilo que querem com uma "desculpa". É pra descontrair, é pra relaxar, é pra melhorar o humor... Beber pode até ser bem legal, mas não devia ser algo tão necessário. Não devia ser algo capaz de aprisionar e enlatar as pessoas na frente de um bar. Não devia ser prioridade.

O fluxo de pessoas ali só aumentava, a sede era insaciável. Calei-me e fiz questão de não expressar o quanto aquilo me perturbava, ao menos até agora. A vida seguiu seu rumo e a noite terminou sem superar minhas expectativas, como previ. Mas os fatos ainda atordoam minha mente e me fazem pensar naquilo que nos tornamos.

Nos tornamos escravos de um copo.